Entrevista | A loucura de Hölderlin: crônica de uma vida habitante 1806-1843

No post de hoje, o Blog da BVPS publica uma entrevista com Wander Melo Miranda a respeito de sua tradução de A loucura de Hölderlin – crônica de uma vida habitante 1806-1843, de Giorgio Agamben. Escrito nos primeiros dois anos da epidemia de covid-19, o livro trata da reclusão voluntária do poeta Hölderlin na casa do marceneiro Zimmer de 1807 a 1843, dos 36 aos 72 anos, numa forma extrema e paradoxal de manter corpo e mente livres e sãos, vivendo o que o filósofo chama de uma “vida habitante”.

Além da entrevista, trazemos também uma nota sobre a edição francesa do livro e um resumo em português junto com o link para a página do volume no site da Editora Âyiné.

1. Quais foram os desafios de traduzir um texto filosófico do italiano para o português? Que questão específica ela te trouxe enquanto tradutor?
A principal dificuldade é manter o regime conceitual do filósofo adequadamente na língua de chegada e com a fluidez necessária para que a leitura do texto traduzido se faça sem muitos percalços. Mas como tenho certa familiaridade com a obra de Agamben, não foi muito difícil manter na tradução o espírito do original.

2. São conhecidas as discussões na teoria da tradução em torno do par tradução-traição e do problema da fidelidade na passagem do texto de uma língua a outra. Você poderia nos contar de que maneira esses problemas se fizeram presentes na sua prática e em que medida princípios como a fidelidade ou a inventividade participaram do seu processo de trabalho?
A tradução ao pé da letra muitas vezes, ou na maioria dos casos, acaba por dar uma noção pouco exata do texto, além de tornar o texto traduzido pouco fluente ou estranho ao regime da língua do tradutor. Trair às vezes, para ser mais fiel, pode ser uma boa saída para o impasse da equação traduttore-traditore. Mesmo que os detalhes importem – e importam muito – deve-se buscar o sentido geral mais fiel possível ao pensamento do autor, o que exige uma compreensão o mais ampla possível do texto a ser traduzido.

3. De que maneira você posiciona este livro dentro da obra de Giorgio Agamben? E dentro da bibliografia em torno da relação corpo-escrita?
O livro foi escrito nos primeiros dois anos da epidemia de covid-19. Trata da reclusão voluntária de  Hölderlin na casa do marceneiro Zimmer de 1807 a 1843, dos 36 aos 72 anos, tido como louco. Para Agamben, trata-se  de uma forma extrema e paradoxal de o poeta manter corpo e mente livres e sãos, para poder viver uma “vida habitante”. Para dar conta dela, a história como a concebemos não é capaz, mas a crônica sim, o que faz o filósofo ao reproduzir cartas trocadas pelo poeta, narrativas de eventuais visitantes, poemas escritos nesse período etc. Não é uma biografia,  mas uma reflexão, mediada pela vida do poeta, sobre a liberdade e a relação inseparável entre corpo e escrita, sobre a  escrita e sua inscrição no(s) corpo(s) do(s) sujeito(s), a relação mútua entre um e outro. É um tema caro a Agamben e presente em sua obra – o pensamento como poesia indissociável do corpo como lugar onde, afinal, ele se materializa: o corpo-escrita. Talvez seja essa a mais bela poesia de Hölderlin.

A vida de Hölderlin divide-se exatamente em duas metades: os 36 anos de 1770 a 1806 e os 36 anos de 1807 a 1843, que transcorre como louco na casa do marceneiro Zimmer. Se na primeira metade o poeta vive no mundo e participa na medida das suas forças dos acontecimentos do seu tempo, a segunda metade da sua existência é transcorrida de todo fora do mundo, como se, apesar das visitas esporádicas que recebe, um muro a separasse de qualquer relação com os eventos externos. Por razões que talvez fiquem ao final claras para quem lê, Hölderlin decidiu eliminar todo caráter histórico e social das ações e dos gestos da sua vida. Segundo o testemunho de seu mais antigo biógrafo, ele repetia obstinadamente “não me acontece nada”. Sua vida pode apenas ser objeto de crônica, não de uma biografia e muito menos de uma análise clínica ou psicológica. E, no entanto, a hipótese do livro é que, desse modo, Hölderlin deu à humanidade uma outra, inédita figura da vida, cujo significado genuinamente político resta ainda a medir, mas nos diz respeito de perto. “A vida habitante de Hölderlin neutraliza a oposição entre público e privado, faz com que coincidam sem síntese numa posição de paralização. Nesse sentido, sua vida habitante, nem privada nem pública, constitui talvez o legado propriamente político que o poeta dá ao pensamento. Também nisso está próximo de nós, a nós que da distinção entre as duas esferas não sabemos mais nada. A sua vida é uma profecia de algo que seu tempo não podia de nenhum modo pensar sem ultrapassar os limites da loucura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s